top of page

SP Jam 2013 & Izotonic Studios

Atualizado: 30 de ago. de 2022


Coletando algumas informações na internet lembrei de quando participei da SP Jam. Infelizmente tenho somente documentado o ano de 2014, mas fica a deixa para vocês irem assistir meu vídeo vivendo essa experiência.


Além da deixa do vídeo incluo nessa postagem informações das quais eu coletei envolvendo minha participação na SP Jam de 2013.

SP Jam é uma maratona de desenvolvimento de jogos que foi dividida em duas importantes etapas durante o ano de 2013: o Gamejam, que é o desenvolvimento de jogos propriamente dito, e que foi realizado entre os dias 30 de agosto a 01 de setembro de 2013, na PUC-SP. A SPJam ocorreu no Campus Marquês de Paranaguá da PUC-SP, campus que abriga a graduação em Jogos Digitais da universidade. E a segunda etapa foi a exposição dos projetos desenvolvidos durante a Jam, além disso, participaram da exposição obras de artistas convidados.

Na época que eu estava começando na indústria, achei que foi de suma importância participar do evento para networking, desenvolvimento do jogo sob pressão e prazo além do exercício de criatividade. Trazendo mais algumas informações sobre o evento, copio aqui o texto do meu amigo e professor Gamer Reporter:

"Um dos destaques do evento é o sistema de achievements, introduzido na edição anterior, que possibilita aos participantes ganharem algum tipo de reconhecimento por seu esforço, trazendo glória e/ou recompensas. Quem participou da edição 2012 sabe que esses achievements são bem vindos.

A organização do SPJam espera quebrar recordes com esta nova edição, reunindo 300 pessoas para criar jogos em um único espaço. Vale lembrar que 300 é o número total de participantes das duas edições anteriores. Para conquistar essa meta, a Vortex (Empresa realizadora do evento) aposta no espírito de confraternização entre os participantes e o espírito de solidariedade." (Links de referência se encontram no fim da postagem)



Com o tema de Plot Twist, desenvolvemos um jogo envolvendo um confeiteiro como personagem principal.

A dinâmica que criamos de Plot Twist, é que o jogo mudava de gameplay em determinadas condições. (Você pode conferir nas imagens do tutorial na galeria). A primeira mecânica consistia em montar plataformas de chocolate que o confeiteiro fazia e ir saltando com o objetivo de ir o mais distante possível. A segunda gameplay acontecia caso o jogador não conseguisse criar plataformas e caía, nesse momento o cenário do jogo mudava e você era perseguido pelo rei que é o inimigo.

Não só isso, meu sócio Vinícius teve o prazer de dar uma entrevista para a equipe da Globo. A emissora fez uma cobertura do evento, mostrando toda sua dinâmica e proposta, além de entrevistar alguns participantes como no caso do Vinícius.


Além do Vinícius, Luiz Gustavo, um antigo membro da empresa, também falou para a Band um pouco sobre o processo do desenvolvimento do nosso jogo e sua experiência no evento.

Fomos premiados pela Nokia na época! Ganhamos os celulares "Lumia 820" e "Lumia 620" para desenvolver jogos e apps.

Confira as configurações do aparelho na época:


Toda essa experiência durante vários anos de SP Jam nos agregou mais força no nosso discurso ao apresentar a empresa Izotonic Studios. Falamos de projetos corporativos, projetos independentes, eventos que participamos, dentre muitas outras coisas. "Vinicius Yokomizo da Izotonic Studios em mais uma palestra da Fatec Game Week, na Fatec Carapicuíba." Nos slides, vocês podem notar a citação da SP Jam dentro do ecossistema da empresa.


Outra matéria interessante sobre o evento que encontrei foi no portal Game Blast. Infelizmente o escritor da matéria é desconhecido, mas "ele" aborda o assunto de uma forma bem completa. Achei válido o texto e estou copiado para a minha postagem. (Sempre reforçando que os links das fontes se encontram no final da postagem) Sou uma criança dos anos 90. Amparado pelo amor de meu pai, dinheiro da mesada e muito troco de pão, consegui acompanhar de perto o surgimento de muitos dos grandes clássicos, e como toda criança que teve como babá o Super Mario, eu também sempre sonhei em desenvolver meus próprios jogos. Quem nunca? O sonho de dar vida às suas criações, ver aquilo que existia no fundo da sua mente tomar forma e ser exposto a milhares de outras crianças do mundo todo, um verdadeiro Icarus moderno (ok, quase lá…). Um aglomerado de sonhadores

Sim, eu sei, você é como eu. Para muitos daquela época, fazer os próprios jogos era uma das maiores ambições de um garoto. Do Power Point, passando pelo RPG Maker e até o Flash, quantos, nessa jornada por um ideal, não aprenderam a desenhar, programar, compor e fazer tudo que acreditavam ser necessário para desenvolverem um jogo sozinhos, entretanto, para a grande maioria, a vontade própria não era o suficiente… Quantos projetos de jogos não abandonamos? Personagens que até hoje habitam no fundo de nossas mentes, esperando uma oportunidade para se mostrarem ao mundo… As coisas são difíceis, se apenas tivéssemos colegas, um grupo disposto a trabalhar em prol da obra.

Nós tentamos, falamos com desenhistas, músicos, programadores, discursamos sobre nossas ideias, mas não encontramos retorno. Pouco a pouco, nosso sonho de desenvolver o jogo foi arquivado no fundo de nossas cabeças, não mais como um projeto, mas uma lembrança nostálgica. Crescemos, seguimos por diferentes caminhos. Alguns viraram advogados, outros arquitetos, médicos e cozinheiros. O sonho ficou lá, nos faltou oportunidade, mas… e se pudéssemos tentar novamente? Desenvolver pequenos jogos? O mercado certamente cresceu, temos uma enorme gama de plataformas e ferramentas, mas e colegas, onde arranjar? Pois é, amigos, hoje eu vos apresento, o que para mim e tantos outros foi um verdadeiro salva-vidas para esta melodramática jornada, o modelo de Game Jams.

Felicidade estampada em cada participante Em uma breve explicação, o modelo de jams consiste na formação de pequenos grupos para maratonas de desenvolvimento. Além de eventos virtuais, organizadas por sites especializados onde as equipes são montadas em fóruns e chats, existem também maratonas organizadas em diversas cidades ao redor do mundo e do Brasil, como a Global Game Jam, presente em São Paulo, Curitiba e Rio de Janeiro e outras. Tradicionalmente, tais maratonas apresentam um tema central, a partir do qual cada grupo dispõe de 48 horas para desenvolver um jogo ou protótipo, e nisso, depois de muito brainstorm, esforço, pane no pc e latinhas de energético, cada equipe dispõe de um pequeno tempo para apresentar seu jogo a outros jogadores, um espaço para expor e uma ótima situação para a elaboração de contatos. SPJam - Uma maratona paulista Dentre as maratonas realizadas mundo a fora, existem também maratonas menores, organizadas por equipes locais com o intuito de fomentar o desenvolvimento e a ampliação da cultura de jogos nacional. Nessa linha, podemos, além de comentar sobre diversos eventos universitários de menor porte, destacar a importância ímpar da SPJam, organizada pela equipe Vortex de São Paulo, com o apoio da Unity, da Nokia e outros grandes parceiros. Contando com mais de 300 pessoas trabalhando em jogos analógicos e digitais em sua última edição, o evento já supera em número de participantes a atual maratona recordista no Guiness Book.

Qual a sacada? Nenhuma. Basta se cadastrar, falar o que você sabe fazer e tentar se encaixar em uma equipe. Além de equipes já formadas que acolhem novos integrantes todos os anos, existem também equipes montadas inteiramente na hora. Achou um programador, um desenhista e alguém para buscar a coca no mercado? Game on! Durante o evento são também realizados diversos sorteios e promoções por parte dos parceiros, tudo para garantir que a maratona colabore com o crescimento do cenário como um todo.

Ao final do evento, ficam expostos os jogos, tanto no site das desenvolvedoras como no site da própria Jam, que serve como um verdadeiro catálogo virtual para jogadores. Não bastasse tudo isso, o evento é um ótimo lugar para fazer amigos, tirar uma partida de Counter Strike ou ainda arranjar novos amigos pelo Street Pass de seu 3DS (sem maldade, devo dizer que não vi ninguém com um PS Vita…).

Como é desenvolver? O desenvolvimento de jogos é uma coisa verdadeiramente curiosa. Cada jam possui um tema próprio, desde coisas concretas como objetos, a coisas abstratas como batidas do coração, ou até mesmo conceitos como Plot Twist (a exemplo da última SPJam). Em um primeiro momento, cada grupo gasta um tempo razoável discutindo o conceito, elaborando ideias e tentando imaginar algo que seja legal e ressoe com o contexto. Acredite, essa é a parte mais difícil. A exemplo do tema Plot Twist, em um primeiro momento pensamos no conceito tradicional, a subversão de uma expectativa em uma narrativa, entretanto, desenvolver uma narrativa com alguma carga emocional em apenas 48 horas e uma inversão de roteiro significativa é um tanto complicada, portanto, muitas equipes optaram por abordar a ideia de plot twist na jogabilidade. Deste modo, o tema não serve apenas para centralizar os participantes, mas também como uma tentativa de promover novas ideias e novos conceitos. A respeito desta jam, vimos jogos onde você era mudado constantemente de time, jogos onde morrer te levava a outro aspecto do jogo, jogos onde o caminho certo era o caminho errado e afins, tudo puxando os limites do conceito para dentro de padrões de jogabilidade.

Passada a fase inicial de planejamento, chega então o escopo do jogo. Trezentas armas, sete finais, New Game +, DLC e multiplayer 32x32? Esqueça. Temos a péssima tendência de superestimar nossa habilidade de produção, portanto, atenha-se ao conceito e crie ideias simples, que possam ser exploradas e desenvolvidas com folga.


Garanta que seu programador consiga realizar o que foi proposto e que seus artistas tenham o tempo hábil necessário para criar tudo que for pedido. Uma equipe com alto número de desenhistas pode focar-se mais em aspectos estéticos, enquanto equipes menores devem focar-se mais no principal aspecto de seu jogo, seja ele a diversão ou a apresentação de um conceito de jogabilidade. Vale lembrar que os jogos aqui são protótipos, alguns como o Surgeon Simulator podem ser posteriormente desenvolvidos e vendidos no Steam, outros, como Narbacular Drop (que mais tarde viria a se tornar Portal), podem vir a servir de case para que sua equipe receba uma boa visibilidade.

Por fim, cabe às equipes se organizarem para separar tarefas eficientemente de modo a garantir que todos os envolvidos estejam sempre ocupados produtivamente. Acredite, no final de uma jam é bem provável que metade das funcionalidades planejadas não esteja funcionando. É provável que Murphy use de seus raios cósmicos para que bugs surjam durante as últimas horas do prazo, portanto, cabe a cada equipe determinar deadlines e tentar seguir essas para que o último dia seja mais voltado ao acabamento que ao desenvolvimento, evitando assim problemas maiores (acredite, já passei por isso várias vezes).

Dicas para marinheiros de primeira viagem

Em eventos como a Global Game Jam ou a SPJam, é comum para os participantes dormir em salas de aula. A não ser que você more próximo ao local, é impraticável ficar saindo e voltando, portanto, é altamente aconselhado que você leve um colchão de ar, ou isolante, bem como um saco de dormir, travesseiro e cobertas. Uma noite bem dormida pode fazer toda diferença, só lembre de ligar o despertador para não acordar cinco da tarde, uma hora antes do prazo de entrega.


Leve também material de higiene, escova de dentes, escova de cabelo, toalha de banho e afins. Por mais ocupado que você esteja, é sempre ruim ficar se sentindo grudento. Além disso, réguas, extensões, cadernos, canetas, lápis e naturalmente seu próprio computador são essenciais. Não esqueça de abastecer o carro com garrafas de água, chá, sacos de bisnaguinha, bolacha (nada de biscoito) e outras guloseimas para enganar o estômago até a hora de pedir comida.

Ta esperando o quê? Ficou com vontade? Pois é, mal passou a última jam e eu já espero pela próxima. Para quem tiver interesse, aguardo vocês lá, seja em uma Global Game Jam, em uma SPJam ou qualquer outro evento semelhante, seria um enorme prazer trabalhar em um jogo com vocês, pupilos Gameblastianos. Quer conhecer os jogos dessa Jam? Tem ideias pra um jogo? Tá procurando equipe? Quer organizar uma jam? Fontes: https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/sp2/video/programadores-sao-desafiados-a-criar-um-jogo-em-dois-dias-2794986.ghtml https://www.gameblast.com.br/2013/09/spjam-conheca-maratona-paulista-de.html?fbclid=IwAR0TyYPtowkLoLDod0dzZDHMR2juumvwDJZUnMe8lCLcwOkJ6hTVRujWg9c




39 visualizações0 comentário

Commentaires


bottom of page